Posts recentes...

sexta-feira, 24 de novembro de 2017

Verão | A minha última compra na Primark...


Hi Hearts! Hoje eu decidi que não aguento mais deixar este post em stand by e esperar por um dia em que sinta coragem ou mais a vontade de o publicar, pois a verdade é que, acho que mentalmente nunca me vou sentir preparada para o fazer. Por isso, está manhã eu decidi que estava na altura de vos contar um episódio do meu verão, que foi um dos motivos pelos quais eu tive mais dificuldade em querer regressar ao blog e até mesmo fazer algumas coisas, que eram normais no meu dia a dia.

Como já referi por alto em alguns posts, eu parei de fazer compras numa loja que adorava e essa loja é a Primark. Durante este verão, no mês de Julho de 2017, existiram duas situações que quero referir, elas passaram-se todas na Primark Colombo, sendo que uma foi no inicio do mês e outra no fim. O meu objectivo ao partilhar estás situações que me causam ainda desconforto e tristeza, é denunciar a situação mais uma vez, tentar ajudar quem passe um dia pelo mesmo que eu, já que já tive duas pessoas a contarem-me que já passaram por situações igualmente desconfortareis com a marca e das quais não tiveram culpa. Não pretendo criar algo para dar uma imagem negativa a loja, mas apenas contar tudo o que se passou, sabendo que fui tratada como um número desde o inicio e não como uma pessoa. As empresas no geral transformam-nos em números e vendo assim, até seria tonto acreditar que por eu ter parado de comprar na Primark, a alteração de um hábito no meu consumo, vá prejudicar de algum jeito uma empresa, pois sou uma em n. Posto isto, este post será também tentar encerar o assunto, e fazer um let it go de vez na minha mente pois foi algo que me traumatizou muito.


Situação 1

No inicio do mês de Julho, eu desloquei-me a Lisboa para ir a uma consulta ou fazer um exame no Hospital da Luz. Como ia passar por perto do Colombo, a minha mãe pediu-me para fazer a devolução de um conjunto de capa para edredom, o qual eu tinha decidido que não queria, mas tinha sido comprado pela minha mãe há uma semana se tanto! Para além disso, tinha também um par de calças de ganga pretas que não lhe tinha ficado bem e seriam também devolvidas no mesmo dia.

Ao chegar a loja, eu peguei um kit de pinças, porque precisava levar um para ter noutra casa que visito com alguma frequência,  depois de pegar o kit com a ajudada de uma senhora que estava lá a trabalhar nessa zona da Primark, dirigi-me ao balcão da área de apoio ao cliente para efectuar a devolução dos artigos e pagar o kit de pinças.

A devolução das calças correu normalmente e compra das pinças também, já o conjunto de capa para edredom, começou um problema que no meu ver, se tornou na bola de neve que me levou a situação 2! O edredom não estava com a designação correcta no talão, o que levou a que apesar de ser a nossa primeira compra deste tipo de artigo, fosse chamado o gerente e até o segurança. Esperei cerca de 50 minutos, para me dizerem que não tinha direito a trocar porque no talão, só constava um conjunto  de capa para edredom, e que possivelmente eu poderia ter roubado o outro, ou ter de ter outro talão. Eu já tinha dado os números de contribuente até para poderem ver no sistema, mas nem assim concluíram que era a primeira compra deste tipo de produto, ou quiseram acreditar na minha versão, por isso disse ao senhor que têm as cameras da loja e que eu nem tinha passado pela zona de produtos para casa. Nem falando, que o produto já até estava esgotado naquele dia...e sinceramente jamais me passou pela cabeça roubar alguma coisa na vida, muito menos um conjunto de 12€.

O gerente rapidamente tentou reformular o que disse, para não parecer que me tinha acusado de roubo, até porque eu mais uma vez referi que tinha sido a minha mãe a efectuar a compra e que ela tinha pago dois conjuntos e só queríamos um, mas que nos disseram que podíamos devolver o que gostássemos menos. Acabei por no fim de todo este tempo lá, ter de ficar com o conjunto que não queria porque negaram os meus direitos e eu estava a ficar sem tempo para ir para a consulta, e acabei por deixar passar, embora depois tenhamos indicado online e nada tenha sido feito porque passou da data.

Os dois conjuntos com que me vi obrigada a ficar!

O talão com produto que passou mal!

Situação 2

Após uns 20 e poucos dias, regressei a loja para devolver umas calças que me enganei a ver o número e que tinha comprado, num dia em que sai com a Mia do blog Buongiorno Principessa. Nesse dia, fui a loja ver se tinha algo que gosta-se para mim, devolver ou trocar as calças e também comprar umas coisas para as colegas de trabalho da minha mãe. Só Deus sabe o quanto me arrependo de ter comprado as calças e ter aceitado fazer o que a minha mãe me disse, fazer de conta que a situação 1 já tinha passado e não existia!!!

Eu antes de entrar na loja, indiquei ao senhor segurança que estava a porta, que tinha um saco com 2 pares de calças para devolver e o talão. O senhor disse que podia ir logo devolver ou ver algo para trocar...infelizmente eu escolhi ver algo para trocar, não imaginando a caixa de pandora que estava a abrir nessa decisão!

Andei pela loja seleccionei várias coisas, fui ao provador 2 vezes numa experimentar as calças num número a cima e achei-as horríveis e super transparentes, até podia ler as letras e ver os desenhos das minhas cuecas...com aquelas calças vestidas!!! Na vez seguinte, experimentei um pijama e caiu-me a ficha, pensei na quantidade de coisas desnecessárias que estava a querer comprar naquele dia, que nada daquilo tinha nexo e que estava a ir contra os meus objectivos de baixar o consumo. Pode ser parvo para algumas pessoas, mas em 2017 isto aconteceu-me em n coisas, querer muito mudar essa parte de mim e seleccionar n coisas, acabando no fim por arrumar tudo com calma e só deixar desarrumado o que já não conseguisse deixar no sitio. Tal como muitas mulheres, eu tenho dias em que sou indecisa e começo por pensar em comprar A,  escolho B e saiu com C, mas isso não quer necessariamente que esteja a fazer algo errado. Com isto, eu arrumei quase tudo o que não queria levar e sai da loja só com presentes para a mãe do meu namorado, que faz anos em Julho, presentes para o meu namorado e também o que as colegas da minha mãe me pediram para trazer da loja. Fui a área de apoio ao cliente, para efectuar a devolução das calças que não gostei e pagar o que levava, paguei tudo dobrei o saco onde tinha as calças e guardei na mala, e sai normalmente com o saco das compras daquele dia na mão.

Quando cheguei a saída, um novo segurança que estava a porta mandou-me parar sem me explicar nada do que se estava a passar e eu não ofereci resistência alguma e parei, mas vi que o jovem estava um pouco atrapalhado e tudo mais, mas não imaginava o que vinha ai...

Após ser impedida por um segurança de sair da loja, ao qual tentei perguntar o que se passa...o mesmo recusa-se a responder-me, pouco depois chega outro mais alto que se abaixou para ficar a minha altura e pergunta-me se não tenho nada que não tenha pago. Eu respondi que verifiquei o talão e achava que tudo tinha passado certo na caixa. O senhor diz-me que tenho de ir com ele, porque vamos ter de resolver a situação a mal, eu seguiu sem mostrar resistência e muito nervosa pois apesar de saber que não tinha nada a esconder, senti-me um pouco stressada com a situação e não conseguia entender o motivo daquele tratamento brusco e sem nexo. Seguiu e fui isolada numa sala para interrogatório, sem presença de policia, hoje sei que está na lei que deveria ter um presente durante esse interrogatório, mas o procedimento não foi seguido, embora tivessem em ideia chamar um, mas nunca o fizeram. Questionaram-me n coisas, grande parte sem nexo, mas eu tentei não resistir e responder a tudo, com a fé que intendessem que era um erro o que me estavam a fazer. Até deixei que me revistassem a mochila, viram tudo desde necessaires, carteira, papeis do médico, produtos que tinha comigo e o saco de compras. As perguntas ponham sempre em causa que tentei tirar etiquetas de cuecas, levar artigos extra para o provador ou até mesmo senão teria outra pessoa a ajudar-me na loja... Até cheguei a tentar pedir desculpas, caso alguma etiqueta dos artigos que peguei tivesse saído, pois teria sido sem intenção e de facto não tinha nenhum dos que não escolhi comigo, como podiam ver. Nem falando que na Primark, já encontrei n artigos sem etiquetas e não significa que eu tenha  culpa deles estarem já assim, embora com os nervos nem tenha pensado nessa opção quando falei com eles, pois as perguntas estavam a ficar sem lógica possível, dado que eu não tinha nada a mais comigo. A verdade é que eu estava sozinha desde o começo e até falei com o senhor da segurança a entrada e ele viu-me sozinha quando lhe mostrei o saco. Para além disso, mesmo depois de me revistarem e verem que não havia nada que eu não tivesse pago, a minha palavra continuava a valer 0 e tiveram de ir interrogar a senhora que me viu a esvaziar o saco das calças na área de apoio ao cliente. Após ela confirmar a minha versão, os 3 seguranças deixaram-me sair e disseram que podia voltar a loja quando quisesse, ao que eu respondi que não pretendia voltar.

Apresentei posteriormente uma reclamação e juntei as duas situações, ela foi apresentada em loja e na altura também reclamamos por telefone. Ainda hoje, passados 4 meses aguardo um pedido de desculpas que me foi prometido pela Primark, quer da parte deles, quer da agência de segurança, mas sem sucesso pois nunca me ligaram.

*****

Desde ai, que tem sido difícil ganhar coragem para denunciar e falar do assunto no blog, especialmente porque para mim o motivo pelo qual deixei de ir fazer compras a Primark, me dá algum medo de que as pessoas deixem de acreditar em mim e me deixa envergonhada. Para muita gente pode ser algo bem simples e fácil de superar, mas devido aos valores que me deram na minha educação, eu senti-me super humilhada e até entrei em pânico nesse dia...eu cheguei a chorar com medo que nenhuma das pessoas que mais amo fosse ser capaz de acreditar na minha inocência, ou até que outras pessoas achassem que não passo de uma ladra, quando na verdade eu nunca pensei em roubar nada, nem roubei nada na minha vida! Dentro da minha cabeça, o peso dos meus valores e a consciência tranquila não tem preço, dai que dado as tentativas de que eu confessa-se algo que nunca aconteceu, a ansiedade andou a dar cabo de mim, até me tentei culpar n vezes por ter acontecido isto comigo, tive muitos pensamentos depressivos mesmo e até posteriormente tive pânico de entrar em lojas, com receio de do nada suspeitarem de mim por simplesmente estar a fazer compras.Os meus pais e amigos deram-me imenso apoio, embora eu me tenha fechado bastante nestes meses... A minha psicóloga explicou-me que eu não tenho culpa de haver pessoas que não sabem ter um comportamento racional e muito menos sou culpada da loucura dos outros.

Não desejo que ninguém passe por isto!

Espero que continuem a acompanhar o blog depois desta denuncia de uma situação que me afectou demais e me fez ter medo de falar. Quero pedir a vocês que por favor, caso passem por algo semelhante prometam-me que vão procurar ajuda, como eu fiz com a minha psicóloga e também denunciem  a situação sem medos. Não podem culpar-se de algo que não fizeram, só porque alguém vos acusou de algo injustamente, numa loja ou em qualquer local e vos fez sentir o pior ser humano do mundo. Por este post é tudo, e dado que foi um post mais triste, gostava que me dessem sugestões de como superar situações difíceis e maneiras de recuperar de algo negativo do modo mais inspirador e positivo possível.

*hugs*

Naipes 

4 comentários:

  1. Eu nunca mais lá punha os pés. Nunca gostei da primark..

    TheNotSoGirlyGirl // Instagram // Facebook

    ResponderEliminar
  2. Isso nunca me aconteceu mas acho que também não voltava à loja. Infelizmente nessas situações tentam sempre sair por cima mesmo que o erro seja deles

    www.ayellowrain.blogspot.com

    ResponderEliminar
  3. Eu também não voltava à loja princesa. QUE NOJO. A forma como te trataram foi nojenta. Devia existir algo que pudéssemos fazer quando estas situações acontecem, porque no final do dia, nem um pedido de desculpas te deram..

    THE PINK ELEPHANT SHOE

    ResponderEliminar
  4. Possas que história, nunca pensei que isso fosse acontecer, enfim... não estava a espera deste episódio. Também já houve uma vez que uma funcionária não conseguiu tirar o meu talao (porque acho que era nova e não enganou-se a processar o pagamento) então tive de me dirigir ao balcão das trocas e tive 10 min à espera que me tirassem um talão novo, e ela nem pediu desculpa pelo incomodo, ou desculpa por me ter feito dirigir a outro balcão porque o erro foi dela, nada.. enfim... Cada vez mais acho que há menos respeito uns pelos outros. Errar é humano e não há problema nenhum em admiti-lo! enfim...
    Beijinhos da Sofia *

    www.artimesophia.blogspot.pt

    ResponderEliminar